Vol. 26 (2010): Número especial 2
Artículos originales

Minhocas exóticas como indicadoras de perturbação antrópica em áreas de floresta atlântica.

Juliana O. Fernandes
Museu de História Natural e Departamento de Zoologia, Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas, CP 6109 CEP13084-971 Campinas-SP, Brasil. E-mail: juliana_olifer@yahoo.com.br, muprado@yahoo.com
Marcio Uehara-Prado
Museu de História Natural e Departamento de Zoologia, Instituto de Biologia, Universidade Estadual de Campinas, CP 6109 CEP13084-971 Campinas-SP, Brasil. E-mail: juliana_olifer@yahoo.com.br, muprado@yahoo.com
George G. Brown
Embrapa Florestas, CP 319, CEP 83411-000 Colombo-PR, Brasil. E-mail: browng@cnpf.embrapa.br

Publicado 2010-08-10

Palabras clave

  • Invertebrados
  • bioindicador
  • espécies exóticas invasoras
  • Oligochaeta.

Cómo citar

O. Fernandes, J., Uehara-Prado, M., & G. Brown, G. (2010). Minhocas exóticas como indicadoras de perturbação antrópica em áreas de floresta atlântica. ACTA ZOOLÓGICA MEXICANA (N.S.), 26(2). https://doi.org/10.21829/azm.2010.262889

Resumen

No presente trabalho verificou-se o efeito de perturbação antrópica na incidência de minhocas exóticas e nativas ativas na superfície do solo de uma área de Floresta Atlântica do Estado de São Paulo, Brasil. Os oligoquetos foram amostrados usando armadilhas de queda (pitfall) em duas áreas, uma onde houve corte raso e queima, e outra onde houve corte seletivo de espécies lenhosas. A maior parte dos indivíduos (91,4%) foi amostrada na área onde houve corte raso e queima, e todos eram espécies exóticas (Amynthas sp., A. gracilis, A. corticis) ou peregrinas (Pontoscolex corethrurus). O contraste no número de indivíduos entre as duas áreas sugere que a perturbação antrópica influencia a atividade superficial e a abundância das espécies exóticas de minhocas e que estas apresentam potencial de uso como indicadores biológicos.