Populações de minhocas amostradas por diferentes métodos de coleta (elétrico, químico e manual) em ecossistemas da região de Londrina, Paraná, Brasil

Priscila T.M. Azevedo, George Gardner Brown, Dilmar Baretta, Amarildo Pasini, Daiane Heloisa Nunes

Resumen


A coleta de minhocas demanda tempo, mão-de-obra e trabalho intenso. Para reduzir o tempo e esforços necessários na amostragem, pode-se usar solução química irritante ou impulsos elétricos para extrair minhocas do solo. No presente trabalho comparou-se o uso de dois métodos comportamentais para coleta de minhocas (formol diluído e eletricidade) e sua eficiência na extração de minhocas do solo em fragmento de mata secundária, margem de um pântano, área agrícola de cultivo anual e pastagem. A coleta com eletricidade (método Octeto de Thielemann) foi realizada usando um aparelho elétrico que extrai minhocas sobre uma área de aproximadamente 0,4 m2. Exatamente abaixo e imediatamente após o método elétrico, realizou-se a escavação e triagem manual de monólitos de 0,16 m2, até 30 cm de profundidade. A extração química foi realizada usando uma solução de formol (0,5%) aplicada em área de 1 m2, distante 5 m das outras amostragens. O método elétrico não apresentou diferença significativa da extração com solução de formol, enquanto à densidade e biomassa de minhocas coletadas. Amynthas gracilis e Urobenus brasiliensis predominaram na mata e responderam aos métodos comportamentais. Pontoscolex corethrurus foi mais encontrada no brejo, onde os métodos manual e químico foram mais eficientes. Nos sistemas agrícolas, destacou-se a presença de Dichogaster spp. (não responsivos aos métodos comportamentais), sendo a maioria das minhocas coletada pelo método manual. A utilização do aparelho elétrico e da solução de formol foi eficiente na coleta de minhocas adultas e de maior biomassa, enquanto que o método manual extraiu mais indivíduos menores e juvenis.

Palabras clave


Fauna do solo; biodiversidade; métodos de amostragem; Oligochaeta.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.21829/azm.2010.262879

Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.


Copyright (c) 2010 ACTA ZOOLÓGICA MEXICANA (N.S.)

Licencia de Creative Commons
Este obra está bajo una licencia de Creative Commons Reconocimiento-NoComercial-CompartirIgual 4.0 Internacional.

Acta Zoológica Mexicana (nueva serie), 2020, Vol. 36, es una publicación electrónica continua de acceso abierto, editada por el Instituto de Ecología, A.C. (INECOL), Carretera antigua a Coatepec 351, Col. El Haya, Xalapa, Ver. C.P. 91073, Tel. (228) 842-1800, extensión 4112 http://azm.ojs.inecol.mx/index.php/azm. Editor responsable: Sergio Ibáñez-Bernal, sergio.ibanez@inecol.mx. Reservas de Derechos al Uso Exclusivo No. 04-2019-021314325500-203, versión on-line ISSN 2448-8445, [antes también impresa ISSN 0065-1737], con registros otorgados por el Instituto Nacional del Derecho de Autor. Responsable de la última actualización de este volumen, Sergio Ibáñez-Bernal, Carretera antigua a Coatepec, 351, Col. El Haya, Xalapa, Ver., C.P. 91073. Fecha de la última modificación: 09 de enero de 2020.

 CC-BY-NC-SA

Reconocimiento –noComercial-Compartirigual